Publicidade
Publicidade

Sem grandes investimentos, Bode terá time caseiro na Segundona baiana

Compartilhe este Post

Depois de 17 anos, o Vitória da Conquista volta a disputar a Série B do Campeonato Baiano. O Bode que conquistou a competição em 2006, desde então trilhou um caminho de sucesso onde chegou a duas finais da Série A do estadual, venceu cinco edições da Copa Governador do Estado e ainda emplacou participações na Série D do Campeonato Brasileiro e na Copa do Brasil. Apesar dos predicados, o Bode não passa por um bom momento financeiro e de acordo com o seu presidente, Ederlane Amorim, os investimentos serão modestos e aposta em uma equipe caseira para disputar a Segundona a partir de 14 de maio.

Há quase um ano com as atividades profissionais paralisadas, o Vitória da Conquista vai recomeçar sem expectativas de grandes investimentos. “É o reflexo das dificuldades que vínhamos tendo nos últimos dois anos. Quando foi encerrada a Série A no ano passado, todos os atletas profissionais foram liberados, hoje não contamos com nenhum atleta registrado e estamos começando do zero. A nossa ideia é montar um time com atletas aqui da região, até mesmo para equacionar as despesas com moradia, com passagens enfim. O que pudermos economizar nesse sentido, vamos economizar, pois as perspectivas de receita não são tão grandes”, ressalta Ederlane Amorim (foto).

Nem mesmo uma reunião já marcada com a prefeita Sheila Lemos para a próxima quinta-feira (23) empolga o presidente do Bode. “No ano passado tivemos o apoio da Prefeitura e esperamos seguir com a parceria, porém, não é suficiente em termos de receita. A questão da transmissão dos jogos pela TV é uma incógnita e diante disso temos que seguir, lutando, buscando patrocínios, uma situação que já trabalhamos há mais de 60 dias porque não poderíamos deixar para cima da hora para resolver isso”, salienta Ederlane Amorim. “A nossa expectativa é de que até o final do mês fechemos estes patrocínios, mas diante do que estamos vendo, temos que trabalhar com a perspectiva de limitações em nossos investimentos”, complementa.

Em relação a jogadores e ao treinador Amorim afirma que não nada fechado ainda. “Nós temos conversas adiantas porque mesmo atravessando dificuldades financeiras no momento, o clube construiu uma história de grande sucesso e por conta disso é sempre procurado por muitos profissionais e isso nos dá confiança no sentido que muitos deles possam participar do nosso projeto. Estamos trabalhando para que no mais tardar em 15 de abril estejamos começando o nosso trabalho, ou seja, teremos 30 dias de preparação pela frente para começar a Série B”, informa.

Com relação à disputa propriamente dita, o dirigente disse o Bode ter uma vantagem grande em relação a seus concorrentes. “Diferente dos anos anteriores faremos mais partidas em casa do que fora, o que teoricamente é uma vantagem porque se fizermos nosso papel de vencer os jogos em casa e fora buscarmos pontos fora poderemos estar alí brigando por classificação para que sabe no ano que vem voltarmos. A cidade de Vitória da Conquista é grande, de muita tradição no futebol baiano e não pode ficar de fora do circuito principal da Bahia esportiva”, observa Ederlane Amorim.

Por Cristiano Alves com informações de Miro Nascimento

Foto – Divulgação

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *