Publicidade
Publicidade

Fantasma exorcizado! Fluminense vence batalha contra o Boca e é campeão da Libertadores 2023

Compartilhe este Post

Chegou a vez do Fluminense! Em jogo com pitadas de drama, com direito a prorrogação, expulsões e gols dos seus artilheiros, o Tricolor finalmente entrou para o panteão de campeões da Copa Libertadores. John Kennedy foi o herói da conquista um marcar o gol da vitória por 2 a 1 sobre o Boca Juniors, neste sábado (4) no Maracanã.

A conquista do fez o Brasil se tornar o primeiro país a ter cinco títulos seguidos da competição, e o Flu garantiu a classificação para as edições de 2023 e 2025 do Mundial de Clubes e para a Recopa Sul-americana, disputada em 2024 contra a LDU, campeã da Copa Sul-Americana em cima do Fortaleza na última semana.

Germán Cano terminou a Libertadores com a artilharia. Foram 13 gols, tornando-se o maior goleador do time na história da competição, com 16, superando Fred, que marcou 15. Já Marcelo entrou para uma seleta galeria de jogadores que conquistaram a Champions League e a Conmebol Libertadores.

No jogo, o clube carioca dominou o primeiro tempo. O gol de Cano, aos 35 minutos, premiou a superioridade diante de um Boca Juniors muito acuado, talvez esperando uma oportunidade, que até aconteceu com Merentiel, mas não foi bem finalizada. Com a desvantagem, o Boca precisou correr atrás no segundo tempo. Passou a ter mais a bola, até que Advíncula empatou o jogo com um lindo chute de esquerda de fora da área, aos 26. Depois disso, os dois times tiveram oportunidades de definir o jogo ainda no tempo regulamentar (o Fluminense teve a mais clara, com Diogo Barbosa no último lance).

O empate levou o jogo para a prorrogação. As oportunidades foram raras e quem soube aproveitar melhor foi o Flu. Diogo Barbosa deu ótimo passe para Keno, que ajeitou de cabeça para John Kennedy marcar de primeira com uma pancada, aos oito minutos do tempo extra. Ele comemorou com a torcida e acabou expulso ao ser punido com o segundo amarelo, mas no fim do primeiro tempo da prorrogação, Fabra deu um tapa em Nino e também foi expulso. Nos 15 minutos finais, o time se plantou na defesa e segurou a pressão xeneize, conquistando o título e a glória eterna.

Fonte: GE – Fotos: Reprodução

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *