Publicidade
Publicidade

Atletas superam o autismo e avançam no Karatê

Compartilhe este Post

Eles ingressaram no esporte há dois anos, atraídos por um programa pioneiro na cidade, coordenado pelo professor de Karatê Oldac Araújo, da academia Astekas. Oriundos do Instituto Família Azul, como são conhecidas as pessoas acometidas do Transtorno do Espectro Autista, os vinte e cinco alunos admitidos no programa têm entre quatro e quinze anos de idade.

O karatê foi a alternativa encontrada pelos familiares para reduzir os sintomas da doença, que provoca distúrbios no neorodesenvolvimento, caracterizados, principalmente, por dificuldades de interação e comunicação social.

O esporte funciona, neste caso, como uma terapia comportamental, oferecendo os pilares de apoio ao desenvolvimento e a aprendizagem. “Quando ele chegou aqui, chorava, batia, ficava pulando. Hoje, se tornou uma pessoa calma, obedece aos comandos, consegue se concentrar mais. Foi uma vitória”, comemora Arlene Almeida dos Santos, mãe de Marcos Vinícius.

O professor Oldac Araújo conta que o programa foi uma bem sucedida experiência, “porque as dificuldades de socialização deles são muito grandes. O karatê tem influenciado na mudança comportamental, abrangendo o aspecto físico e a coordenação psicomotora destes alunos”.

Os alunos foram submetidos a um teste de conhecimentos e habilidades técnicas por uma banca examinadora e promovidos a faixa amarela, a primeira das sete graduações até atingir a faixa preta. 

O prefeito Colbert Martins entrega faixa a carateca

A entrega das faixas e diplomas, ocorrida na tarde desta quinta-feira,6, na Academia Asteka, foi prestigiada pelo prefeito Colbert Martins Filho, praticante do esporte; a primeira dama, Adenilda Martins, o secretário de Desenvolvimento Social, Pablo Roberto Gonçalves, e familiares dos alunos. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *